Site de Poesias

Menu

DOUTORA ÉS TU MINHA MÃE

 Ainda me lembro quando compraste a minha sacola

Me lembro de quando me conduzias pra escola

Sentei na carteira para poder me formar

Para Matemática, física, medicina e Direito dominar.

 

Mas quando os meus olhos visitam o teu rosto

Nasce essa indagação no meu peito

Hoje doutor o que tenho de novo para te ensinar?

O que aprendi na Universidade que possa tua vida mudar?

 

Vou te falar sobre as minhas aulas de Gestão?

Citar Chiavenato e suas teorias de administração?

Se com muito pouco conseguiste 6 filhos criar

Nunca permitiste que a fome em sua casa tivesse lugar

 

Mãe como poderia lhe falar de Hans Kelsen e o positivo Direito?

Se tão naturalista é o teu peito

Não precisaste ler Oliveira Ascensão e dominar a legislação

Para na causa da vida seres essa advogada que nunca me deixou na mão.

 

Não te vou falar de teorias de relações internacionais

Porque soubeste num ambiente de paz teus filhos educar

Não te vou falar de agronomia para garantir colheitas excepcionais

Pois da terra sempre colheste frutos para teus filhos alimentar

 

Não te vou falar de Aristóteles e as técnicas de meteorologia

Porque só de saudar o ar você já sabia

Se seria um dia normal

Ou se vinha um temporal

 

Não te vou falar da Filosofia e o Tales de Mileto

Se tu tens a resposta dos porquês nos provérbios que dizes em seu dialeto.

Do que adianta falar de Hipócrates e tudo que sei da anatomia?

Se quando doente você tinha no seu frasco o fármaco certo e me assistia

Não te vou chamar analfabeta por teu nome não saber assinar

Porque cá entre nós Doutora és tu minha mãe.

 

 

Autor: Salvador Muchidão

Compartilhar

Os mais simplistas em detalhes tem um dom em retratar a essência dos sentimentos que nos tocam a alma. Mozambique, Maputo

Gloves Paulo
10/09/2019