Site de Poesias

Menu

?Duas gotas de sangue?

[Ilustração não carregada]

 
Deus! “Ecce homo”.
Como descrever a obra, o autor, o pensamento,
o pensado, o pensante, a interpretação e o interpretado?
Como entender o suicídio que não é suicídio, mas
que é suicídio na vontade, no desejo, na volição inconsciente?
Como morrer aos poucos, e não morrer?
Como entender os caminhos de Deus pelo universo afora,
feito chapeuzinho vermelho e seu par desossado, 
dissecado, travestido de vovózinha,
A vivissecção  do lobo mau?
“bones, simple bones”, “Good Bones and Simple Murders”,Margaret Atwood ,contos de fadas reconfigurados?
Onde estás solidão, se o lobo mau está por perto?
Por que o carcereiro está preso com o encarcerado?
Que sangue é esse na areia?
É negrinho do pastoreio; 
É guerra, neguinho, MC Marechal, 
É o complexo do alemão reconfigurado.
 
É  a nudez em todas as cores e olhares. 

Compartilhar

Esse poema é uma homenagem para o poeta Luiz Coronel. O poema é uma criação livre, lembrando alguns aspectos da obra e da poesia do poeta de Bagé. É enaltecida principalmente os aspectos religiosos e espirituais, as possibilidades de uma história de vida de um poeta, a bravura indômita dos gaúchos e de outros nas batalhas, observada na cegueira perante a morte próxima, o sentido e a reconstrução de contos infantis, o significado dos regimes totalitários, marcadamente do golpe de 1964, a condição social da etnia negra no país, a nudez em todos os sentidos, o quanto o sangue faz parte da vida cruenta, bem como do próprio amor. Bagé, 16 de julho de 2018

Claudio Antunes Boucinha
25/07/2019

  • 0 comentários
  • 31 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados