Site de Poesias

Menu

Eu estava terrível...


Ontem eu estava terrível! Com o senso crítico a flor da pele, de onde me fugia toda a Antropologia que tanto ensinei aos alunos. Viajei até Cordeiro, não sei se isso pode se chamar viagem, mas foi. Pelo Caminho, fui tentando respirar o ar, de toda a vegetação através da janela do carro, com vidros semiabertos,  desejando que a força do pensamento, trouxesse alguma essência daquelas plantas e árvores, algo que me servisse de lenitivo pelos poros a dentro.
Estacionar em Cordeiro virou uma saga, somos obrigados a deixar os piscas ligados, e quando nos distraímos, lá vem uma multa. Já levei uma dessas, atrasada para o consultório médico; e não adianta recorrer, contando historinhas, porque a multa vem do mesmo jeito.
De certo modo, foi bom sair de casa, mesmo de mal humor. Fiquei lembrando  Ubaldo Ribeiro, obrigado a escrever para os jornais  e dando  uma volta no calçadão de sua cidade para olhar pessoas , acontecimentos, algo que lhe desse boas idéias para texto.
Depois de resolver as pendências, hora do almoço. Pedi ao Itarny que visitássemos um restaurante novo, para experimentarmos sabores diferentes. O lugar era bonito, com telhado alto e parede de tijolinhos. A comida estava soberba de gostosa. Ameacei  meu sobrinho guloso,  que não comesse mais de meio quilo, senão, ele que iria pagar a conta. Foi uma rasteira didática, para que eu não passasse vergonha, com aqueles pratos derramando feijão pelas bordas; inibir, aquela fome de camelo,  que parece que o mundo vai acabar. Ele obedeceu e comeu devagar desejando que a comida rendesse.
Durante o almoço dei uma olhada nas paredes do restaurante, deparei com a  pintura de Maria de Nazaré, com a fisionomia tão triste, que quase me tirou a fome. Pronto! Achei algo que não me agradasse, algo que eu pudesse  confabular e recriminar a falta do bom senso alheio.
Na hora de acertar as contas, o dono do restaurante, que estava no caixa, perguntou se estava tudo a gosto. Respondi que, tirando o quadro, tristonho, de Maria, todas as outras coisas estavam boas. Ele ficou surpreso, explicando que era evangélico, mas que ali existiam católicos e que ele não tinha nenhum problema em ter Maria por perto. Expliquei-lhe que não eram os dogmas, ou o que cada um achava sobre Maria, mas era porque ela estava tão triste que estava atrapalhando  o meu  apetite.
Saí dali sem culpa. Talvez outras pessoas já tivessem sentido o  mesmo. Se fosse um restaurante de convento,  tudo bem, mas não era. Cada coisa no seu lugar.
Eu estava mesmo terrível! Com o senso crítico a flor da pele, de onde me fugia toda a Antropologia  que ensinei aos alunos.
Selma Nardacci
 

Compartilhar
Selma Nardacci dos Reis
11/06/2019