Site de Poesias

Menu

NOSTALGIA - soneto de Ialmar Pio Schneider


N O S T A L G I A
______________________
Menestrel sem Juízo
______________________
 
                                      Certa noite disseste aos meus ouvidos
                                      que gostavas dos versos que te fiz
                                      e ouvindo teus encômios incontidos
                                      nem sabes como me senti feliz !
 
                                      E então ficamos algum tempo unidos,
                                      fazendo-nos carícias pueris
                                      pra sermos hoje dois desconhecidos
                                      pensando que o destino assim o quis...
 
                                      Eu guardo na memória, todavia,
                                      todo teu ser, com tanta nostalgia,
                                      tal um golpe daqueles que fatais
                           
                                      a gente sofre sempre por alguém.
                                      Sei que outras poderão surgir, porém...
                                      por que, afinal, só tu não voltas mais !?
 
                   PÁG. 20 - O TIMONEIRO - CANOAS, 30.12.83
_______________________________________________________________________

Compartilhar
Ialmar Pio
26/01/2019

  • 0 comentários
  • 11 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados