Site de Poesias

Menu

O FUTURO PRESENTE

 

Cérebros acelerados,

Dedos alongados,

Corpos atrofiados,

Retângulos iluminados,

nos olhos fixados.

Já não ouço a algazarra 

das crianças,

Nem o diálogo entre os jovens.

Nem os anciãos ouço mais,

apenas os dedos nas telas.

Face a face...

Silêncio profundo...

É o fim do mundo?

Compartilhar
OSCAR BARROS
16/01/2019