Site de Poesias

Menu

Deus de Alma Negra

 

Por quê impedir com a segregação

Que a cor afaste irmão de irmão?

Quantos negros ainda precisam morrer

Para esse pranto desaparecer?

 

Pára esse pranto, então

Oh, Deus de alma negra

Oh, Deus de amor

E à luz da igualdade

Estanca essa dor

 

A abolição que não libertou

Por isso esse canto sem preconceito

Sem violação de direito

Por isso esse canto de amor

 

E agora é a vida surgindo

Em sombra sem cor

É o poder dessa gente que luta

E que vive regando essa flor

 

É a vida que pulsa, enfim

Livre de opressão

É o sangue fervendo nas veias

É a força da libertação

 

 

 

 

 

 

Compartilhar

Canto negro... um Deus libertador! SSA

Silvestre Sobrinho
03/01/2019

  • 0 comentários
  • 74 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados