Site de Poesias

Menu

A taça de vinho tinto

No restaurante com uma mesa de dois meu prato a frente com uma taça de vinho tinto por companhia eu de repente vejo você 

Você está longe, não está à mesa comigo, a taça de vinho me faz companhia 

Mas vejo você, e você sorri, daquele jeito lindo que nunca vi ninguém sorrir para mim

O garçom traz mais vinho, e eu já sorrio para você com a esperança que você se sente 

Tome uma taça de vinho comigo querida e sorria, pois adoro o brilho do seu sorriso para mim

Conversemos como antes ou como nunca, trocando olhares, ninguém mais existe aqui entre nossa mesa

Só o vinho por companhia meu amor e a Lua a iluminar seu rosto, seus cabelos e pele mais perfumados que uma flor

Me acompanhe meu amor nessa noite, quero gravar essa sua voz doce que a cada nota faz cada pelo do meu corpo se levantar

Levanto a taça de vinho as horas passam e meu peito só o sinto encher e bater a cada passada sua, se for, por favor não se demore, adoro olhar esses seus olhos infinitos 

O garçom me pergunta, numa pausa qualquer, se eu quero a conta, mas a vontade é de ficar e mais uma taça de vinho tomar 

E tudo gira e só vejo você chegando e quero em um abraço te prender, pegar em suas mãos belamente ornadas e aí sim deixar a taça de vinho sozinha

E com, só você, fugir e correr o mais rápido possível sem pensar

Passado ou futuro não há, somente o presente com você, de mãos dadas a levantar da mesa e espatifar a taça de vinho tinto

Eu pisco, continuo sentada, a frente o prato e a taça de vinho tinto e não sei onde você está

Eu bebo um pouco mais, mas sei que você não aparecerá, é tarde, olho no meu relógio de pulso

Talvez em outros braços você repouse e eu bebo a sua saúde e lembro que amanhã 

É só mais um dia a respirar sem ver você, aquele olhar e sorriso a me contemplar 

Mais uma taça de vinho por favor

tinto 

 

 

 

 

Compartilhar

Botucatu - São Paulo

Marcela Hebeler Barbosa
29/12/2018

  • 0 comentários
  • 32 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados