Site de Poesias

Menu

SILÊNCIO

 
 
Meu silêncio grita dentro de mim
E meu pensamento desengonçado  é tortura
Que faz de mim amaranto da real miniatura
Penada que vive do sarcasmo sem fim.
 
Vazia, minha alma habita um submundo
Em que forma e conteúdo são estradas
Irregulares em meio a vozes diagramadas
Pelos ventos que sopram num palco imundo.
 
Não se decifram os segredos do desequilíbrio
Impune que as tatuagens incitam sem o brilho
Da mente aberta que, sem ritmo, perece fechada.
 
Indubitavelmente não há um paladar concêntrico,
Pois de sinestesia em sinestesia perde-se o idêntico
Reciclar que torna a existência muda, sem nada...
 
 

 
DE  Ivan de Oliveira Melo

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
28/11/2018

  • 0 comentários
  • 22 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados