Site de Poesias

Menu

ESPECTRAIS

 
 
De que adianta chorar diante do sepulcro
Onde meu corpo dorme o derradeiro sono?
Aqui só há eu, os vermes é que são os donos
Da carnificina que alimenta tietes tão impuros!
 
Antes de aconchegar-me a este catre tão vazio,
Debulhei cada centímetro dessa vida ortodoxa,
Debochei do nada, do tudo, comi dessa paçoca
Para engordar a verve que sutura o calor do frio!
 
Lágrimas hipócritas e gélidas derramadas em mim
São parafernálias que homenageiam um triste fim
Ainda tão precoce e bastante inundado de sonhos...
 
Tarde demais! O viço das bactérias me consome
Os últimos resquícios do ente que foi um homem
Malogrado pelo transporte dum arrebol tristonho!
 
 
 

 
DE  Ivan de Oliveira Melo

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
19/11/2018

  • 0 comentários
  • 12 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados