SAUDADES...

SAUDADES...

 

Como de tantas vezes,
voltávamos para casa,
recuperando-se aos poucos

Desta vez não lhe deram alta
Mas a alforria do corpo padecente
E suas asas a distanciaram de mim

Invejoso, confesso, de seu alçar.
machucado, solitário, a buscando
nas lembranças de nós dois...

Fátima Aparecida Próspero, minha amada... * 22/10/59 + 21/10/2018