Site de Poesias

Menu

Meu amigo Pedro


Numa noite dessas meu amigo Pedro
em sonhos me procurou novamente.  Estava
com o olhar tristonho e muito acabrunhado.
Me disse que vivia tão cansado de esperar
pela sua ressureição; morrer de cabeça para baixo
numa cruz, foi sua própria opção. (Seus amigos
sempre lhe foram fieis) . Todavia, Judas foi quem
plantou a discórdia entre os seus e que percebia
tudo aquilo pelos lugares por onde passou.
Meu sacrifício hoje eu vejo que foi em vão,
mas ele não se mostra incoerente, levando-se
em conta a sua incapacidade de todo aquele povo
apaziguar. A discórdia tornou-se universal, uma disputa
sobre a qual foi imortalizada pelos gritos dos vendedores
e compradores nos mercados mundiais. Meu amigo Pedro
poso entender suas aflições, pois, comungo delas  nesta
vida terrena e em plena faculdade mental percebo 
que suas intenções também são as minhas. É preciso
no entanto, impor domínio às bestialidades, às invejas,
às ambições, às vaidades e a todos os falsos profetas
que os homens tanto celebram e adoram. Meu amigo Pedro,
agora eu preciso acordar, permanecer sóbrio, embora os venenos
tenham corrompido a minha vontade de salvar
o mundo com uma simples canção.
 
J.A.Botacini     
 
  

Compartilhar
Jose Aparecido Botacini
23/06/2018

  • 2 comentários
  • 64 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados