Site de Poesias

Menu

Cães vadios

 
Eles ficam deitados
Às vezes sozinhos
Ou em bandos
Com fome reviram
Lixos, sacos
Qualquer coisa aonde passe o ser
Humano
Têm de várias cores, espécies e tamanhos
Pelas ruas, sozinhos
Largados
Andam os mais sujos
Pulguentos
Doentes
Carentes do ser
Humano
Gostam, esses que ficam pelas
Ruas
De correr atrás
De rodas controladas pelo ser
Humano
Cansados de mais
Deixam-se ficar
Como cães vadios
Abandonados pelo ser
Humano

 

Compartilhar

Botucatu - São Paulo

Marcela Hebeler Barbosa
17/04/2018

  • 2 comentários
  • 52 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados