SUMO

SUMO

aquele ardor que pinga do rosto cansado
gotas peçonhentas que fluem e exalam
com sua textura viperina
cloreto de sódio amargo e ureia cítrica
escorre impiedosa da sua glândula sudorípara
abriu-se a cólera mantida em seu peito
suas dores trancadas em  amuleto
o que te escorre é sumo com cheiro de cianureto
deixa escorrer hoje de ti essas gotas que te afogam por dentro
deixa expelir e evolar-se
e vive mais um dia
seu sorrir será ainda algum bem feito

Olha vc aí, angustiado, vc vai dar a volta por cima, e assim será na sua , na nossa vida terminal!
Elisa Gasparini
© Todos os direitos reservados