Site de Poesias

Menu

DERRADEIROS INSTANTES

 
Quando eu sentir que a morte se aproxima,
Que em meu último desejo eu possa compor
Um poema que narre esse meretrício de dor
Para mostrar quão verdade é essa tênue sina.
 
Que a mim eu possa dizer: vivi tudo que pude,
Agora me resta cerrar os olhos à longa viagem
E talvez pensar que partir da vida é sacanagem,
Pior ainda é ser a vedete das flores e do ataúde.
 
Naturalmente serei levado à última das moradas
Onde porei do meu cinzel e me tornarei a ser pó,
Indubitavelmente nunca me postei neste orbe só,
Por isso exijo a companhia de todas as namoradas.
 
Quando eu perceber o que é o derradeiro suspiro,
Dar-me-ei o riso, saudade ficará; solidão vai comigo!
 
 
DE  Ivan de Oliveira Melo

 
 

Compartilhar
Ivan de Oliveira Melo
08/12/2017

  • 0 comentários
  • 22 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados