eu sou...trovas

eu sou !...trovas

eu sou brasa sou fogo
um cardo no caminho
faço da vida um jogo
o fim anda pertinho

sou nocturno sossego
raio de sol ardente
não largo, não despego
sou ao longe o poente

sou a lágrima o pranto
sou flor que desabrocha
sou arrebol, desencanto
sou a chama duma tocha

sou a lua milenar
sou fogo sem ambição
a esconder o meu pesar
neste verso de aflição.

sou a voz do sino
que se ouve no arvoredo
voz de menina ou menino
que vive sempre com medo.

«sou talvez a ventania»
que passa e agoniza...
não sou mais eu hoje em dia
só saudade em mim desliza.

natalia nuno

rosafogo

rosafogo
© Todos os direitos reservados