Edredom

Edredom

Um quarto vazio,

Um edredom no chão,

Uma música que vinha da rua,

Seu corpo nu na minha mão;

 

Meus lábios deslizando na sua pele

Numa febre muito louca,

Movimentos deliciosos,

Seu prazer na minha boca.

 

Foi exatamente assim:

Uma chuva de volúpia

Minha língua percorrendo as suas curvas

Numa fome selvagem

Gostosa vadiagem,

Suores,

Gemidos

Chuva de libido,

Desejo que não passa

Bela criatura que me alucina,

Estrela cintilante cheia de graça.

 

Eu e você naquela casa vazia,

Numa noite de lua cheia

Edredom escorregando no piso

Num vai e vem delicioso

Percorremos o quarto todo

Numa viagem quase infinita

Tenho sede de você

Moça bonita.

 

 

 

Tatiane Correia Silva - Compositora/Poeta (SALVADOR-BA)
© Todos os direitos reservados