Cetíneas bocas

Cetíneas bocas
 
 
Inocentes sonhos, lindas fantasias
Lampejos esculpidos em devaneios
Quimeras  utópicas, mil alegrias
Delírios incontidos, mil anseios
 
Cetíneas bocas, por momentos minhas
Onde andais caladas; nem dais sinais
Fazeis verão, igual às andorinhas...
Só que elas voltam. Mas vós, não voltais
 
Os quentes beijos jamais poderei esquecer
Hei-de morrer sonhando feliz, contente
Ao sentir vosso calor se desprender
 
Nesta saudade viva, permanente
Onde outrora no seu enrubescer
Juravam amar-me eternamente !
 
São Paulo, 03-09-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia
 
Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
 
Direitos autorais registrado
Mantenha a autoria do poema

ARMANDO A. C. GARCIA
© Todos os direitos reservados