O Tempo e o Vento

Tem coisas que o tempo, tenta da nossa mente apagar
tem outras que o vento, insiste e nos faz recordar
mas o tempo ainda não apagou as que me fizeram chorar

hoje o vento me trouxe à memória, algumas para relembrar
são lembranças de um tempo de magia, da música, da poesia
onde correr atrás do vento era tudo que eu queria

não havia compromissos e, sim, muita alegria
éramos crianças inocentes e puras, no mundo de fantasias
onde o tempo e o vento eram sinônimo de muita correria

lembro-me do tempo de empinar pipas ao vento
de jogar bola nas ruas sem nenhum impedimento
hoje os ventos são contrários já não tenho mais tempo

caminho contra o tempo embora sempre a favor do vento
sigo apressado na correria do tempo, ando embalado pelo vento
olho para trás e me assusto com o tempo e com tanto passatempo

parece que foi ontem que a minha pipa com o vento voou
muito tempo já passou, mas quase tudo o vento me levou
bons ventos trouxeram de volta os sonhos que o tempo deixou

hoje eu parei no tempo para apreciar o que o vento me mostrou
o tempo levou alguns amigos, mas a saudade deles ficou
embora o tempo tenha passado, cada um, a minha vida marcou

também lembrei de um amigo mais chegado do que um irmão
o vento me trouxe seu rosto e a mesma alegria do coração
são coisas que dinheiro não compra, como o valor dessa emoção

a vida é feita de detalhes que o vento intensifica ou o tempo abafa
são lembranças outrora vividas que alegra e as vezes maltrata
mas todas formam raízes, que brotam e pelo mundo se espalha

mesmo que o tempo, o rosto nos marque, mostrando que ele passou
lembrei-me do tempo das brincadeiras e do início de um grande amor
daquela garota na juventude, quando o vento seu cabelo esvoaçou

na brisa do vento relembro de circunstâncias, que na minha mente ficou
do tempo de felicidade, do viver sem maldade que o vento furioso arruinou
hoje vivendo sem tempo, agradeço ao vento o amor que ele semeou

sempre que eu tiver um tempo quero dos meus momentos lembrar
espero que o tempo, não apague o amor, nem mesmo os rios afogá-lo
mas que o vento possa abaná-lo para dele nos inflamar...jamais apagar

Zeca Moreira

Zeca Moreira
© Todos os direitos reservados