Site de Poesias

Menu

SONETO III - LOIRA DO BONFIM

Como te amo minha deusa loira,
Mesmo que ainda nos separe o Bonfim.
Da fria lápide vês a ladeira,
Deste Belo Horizonte sem fim.
 
Vou te esperar pelas ruas nas noites,
Para encontrar com tua alva morbidez,
E seremos amantes ardentes,
Ébrios, consumidos em languidez.
 
Aos beijos pelos bancos das praças,
Brindaremos em festa, o pratear do luar,
E secarei suas solitárias lágrimas.
 
Irei contigo a negra campa voltar.
Serei teu cúmplice nas noites funestas.

 
Eternas almas nesse assombrar.

Compartilhar
Eber Fonseca
24/02/2017

  • 0 comentários
  • 13 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados