Minha identidade

Identifico-me com pessoas, acima de tudo, pessoas boas. Identifico-me com pessoas que levantam às cinco da manhã, enfrentam a condução para irem trabalhar, mas que ainda assim, colocam um sorriso no rosto.
 
 Identifico-me com pessoas, e não com suas classes sociais. Nada disso importa. Convivo com pessoas das mais diferentes culturas, opiniões e educações, e ainda assim, sinto como irmãos. E no fundo, somos.
 
Identifico-me com pessoas que aceitam brincadeiras, e que devolvem com bom humor. E que não ligam se eu falo A ou Z, simplesmente respeitam minhas ideias loucas. É bom compartilhar ideias e ser respeitado.
 
Identifico-me com pessoas que agregam e não subtraem. Com pessoas que não fingem ser o que não são. Na lápide acaba toda prepotência. Prefiro o ignorante sincero, ao intelectual vazio. A aura pura é mais valiosa.
 
Identifico-me com pessoas que falam com gestos. É uma forma de expressão singular. Gosto também do plural, mas o plural de risos e bons momentos.  É contagiante estar com pessoas assim.
 
Identifico-me com pessoas que esbanjam paz de espírito. As que são carregadas de energias negativas eu dispenso. Odeio o muro das lamentações, hoje conhecido como rede social. A internet deu voz aos idiotas. Muitos ainda não sabem usar.
 
Identifico-me com pessoas que olham nos olhos e não baixam o olhar. Quem baixa o olhar prova sua fraqueza. E, na maioria das vezes, se entregam facilmente à dissimulação.
 
Identifico-me com pessoas que não usam da sua função social para se mostrar melhor que outra. Pessoas assim representam à verdadeira choldra. Gosto daquelas que encantam por serem simples. Por serem empáticas.
 
Identifico-me com pessoas que se viram nos trinta, sessenta e noventa. E que se salvam aos quarenta e cinco do segundo tempo. E, que acima de tudo, não desistem de lutar até o apito final. Essas pessoas me representam.
 
Identifico-me com pessoas otimistas. Pessoas que carregam consigo sempre a esperança de uma vida melhor, mesmo a maré jogando contra. Por isso, mantenho o sonho, de ver esse mundo melhor, de viver mais alegria. E que se transforme em realidade... essa minha utopia. 

Carlos Eduardo Fajardo
© Todos os direitos reservados