Site de Poesias

Menu

Os Impérios sempre caem

Gente, eu não sabia que a minha coluna era tão concorrida. Os textos que escrevi no jornal renderam.  É uma quantidade assustadora de pessoas me perguntando em quais escolas eu já dei aula.  Finjo que não escuto e deixo que façam a pesquisa. Isso é bom!
“A vingança pertence ao Senhor!” Mas de quando em quando, não custa nada dar uma mãozinha a Ele.
Por falar em escola, estou no Barão, é hora do recreio. A comida cheira a metros de distância pelos corredores. Hoje é risoto. Risoto é arroz misturado com frango desfiado, como todos sabem.
Todas as vezes que tem risoto lembro-me de um camarada que mandava a merendeira separar para ele pedaços suculentos de frango.
Vê se pode! Enquanto os alunos comiam frango desfiado no arroz, ele se deliciava com pedaços inteiros de frango.
Desconjuro! Às vezes, fecho os olhos e vejo o diretor lá no inferno com pedaços de frango correndo atrás dele.
Os impérios caem! Já tivemos Império Assírio, Império Asteca, Império Babilônico, Império inglês...
Na época do Império Francês, Napoleão tentou prejudicar a Inglaterra a todo custo, espalhando fofocas e impondo o Bloqueio Continental. Mas a Inglaterra era a rainha dos mares...
Depois da Primeira Guerra Mundial os Estados Unidos da América transformou-se numa grande potência. Um verdadeiro Império. Mas nenhum Império subsiste.
Império vai, Império vem. Tudo tem seu tempo. Foi assim com o Império Romano, onde os Césares perderam o poder  e Roma passou por um período de reclusão.
Mas infelizmente, tem aqueles, que de uma hora para outra, são levados para o Império das Trevas. Traídos pela sua própria cobiça e perseguidos por pedaços de frango.
“Louco! Hoje pedirão a sua alma.”
Aí daqueles que engordam comendo a merenda das criancinhas.
 
 
Selma Nardacci dos Reis

Compartilhar
Selma Nardacci dos Reis
19/06/2016

  • 0 comentários
  • 83 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados