Site de Poesias

Menu

CASINHA DE TAIPA

O telhado é de  palha de coqueiro
O piso é de barro batido e fosco
O lustre é um velho candieiro...
 Que ilumina a sala de rebouco.
A mesa  é um varal de marmoleiro
O assento  é o resto de um toco!
A rede é a cama macia do vaqueiro
Estendida descansa o dorminhoco.
A chaleira cheira no folgareiro...
Fervendo o café  pouco a pouco.
Lá fora um galo canta no terreiro
Um jumento relincha dando o troco!
 
 

Compartilhar
Carlos Cintra
28/05/2016

  • 0 comentários
  • 120 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados