Site de Poesias

Menu

VELHA CRUZ

A beira da estrada, imponente e forte,
Uma velha cruz silenciosa e pendida. 
Anuncio de uma trágica e repentina sorte
Estendal do fim de uma humana vida!
 
Mais eis que, no seu braço fino, suporte, 
Um verde ramo nascido na fenda da rocha 
Abraça a cruz e nela uma flor desabrocha
Adorno da vida sobre a frieza da morte!
 
Velha cruz... Que historia conta teus traços 
A beira de um abismo em ermo abandono
Quem escreveu o nome nos teus braços?
 
Velha cruz... Vida e morte, fúnebres laços.
Guardiã que data início e fim do seu dono
Dona inefável dos seus últimos passos!

Compartilhar
Carlos Cintra
12/05/2016

  • 0 comentários
  • 64 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados