Site de Poesias

Menu

Confesso Que Acreditei

 
Talvez não tenha existido o que me fez acreditar
No todo que foi apenas um desvio do engano.
Depois que o todo voltou à origem do seu lugar
Estampando a mentira do que um dia foi plano.
 
Segredos são desnudos pela correnteza do ar
Pela duração das horas que não me é humano
Efeito de uma relação que liberta do meu olhar
A lágrima que te escorre em número e oceano
 
Mudança de pensar por tudo que um dia foi razão
Em tempo que a lembrança não acende a saudade
Na visão do abandono que não te brilha em afeição
 
Parto antes que o destino me destrua a canção
Com o equilíbrio do sentido da alma em liberdade
Dos braços da ilusão que quase me roubou o coração

 

 

Compartilhar
Murilo Celani Servo
25/02/2016