SÍMBOLO


(Lucilla Guedes)
 
Notas finas e tilintantes de xilofone
Pingam, cadenciadas, na funda poça,
As gotas, tremulantes, não há quem as dome,
Com a natureza não há quem possa!
 
– É apenas chuva – alguém declara.
Sim, é chuva de pequenos riscos,
Dardos, gemas, diamantes de água,
Desenhos pálidos de um giz metafísico.
 
Nuvens e mais nuvens de valentes gotas
Em processo de união inevitável,
Prestes a imergir em indistinto caldo,
Para pertencer ao Todo, prontas.
 
É apenas chuva, simbolizando a sorte,
Clímax de um ciclo, suposta evolução,
Uma explosão de nuvens de algodão
Sobre um oceano que abocanha e sorve!

 

Lucilla Guedes
© Todos os direitos reservados