AMANHÃ...

AMANHÃ...

 

Será um outro tempo, velho/novo
Folhinha descartada do calendário
Ilusões e esperanças renovadas

Importa é crermos nesta fantasia
E dela fazermos nossa força
a nos blindar da inércia e tristeza

Cultivemos a utopia como a uma flor
Desde que nos remoce, 
Nos devolva os ânimos, crianças

Mesmo que tudo sejam quimeras
Delas façamos as nossas alegrias
Removendo o ranço que nos impregna

Quando nada existir que nos anime
Diante ao vagaroso passar da vida
Sejamos alados,além das monotonias...