Estrela

Escolhi uma estrela 
E pra lá quero mudar,
Vou viver livre de tudo, 
De todos vou me livrar.
Na minha estrela não chove, 
Nem ao relampear.
Lá não tem noite, nem frio, 
O sol vive a brilhar...
Lá não tem crime, nem roubo, 
Tranquilo posso caminhar.
Não tem barulho, nem bagunça, 
Lá posso meditar...
Na minha estrela vive uma rosa
Que teimo em cultivar
Ela é muito geniosa 
E adora me provocar
Além disso é cheirosa, 
Mas vive a me espetar.
Às vezes é carinhosa
E sabe me cativar...
Na minha estrela não há fome,
Tem alguém para cozinhar 
Coisas que não me canso
De saborear.
Doces, salgados, bebidas
O que eu quiser é só mandar...
Na minha estrela tenho prazeres
Que não encontro em outro lugar.
Lá tenho tempo de sobra,
A qualquer hora posso namorar.
Nela os meus amigos,
Eu posso encontrar,
Pra fazer o que quiser, 
É só os dedos estalar.
A gente joga, discute, briga
E depois volta a se abraçar,
Senta num canto qualquer 
Pra o por do sol apreciar...
Na minha estrela o tempo não passa,
Não tenho porque me apressar.
Faço tudo com calma,
Sem me preocupar.
Nela eu canto e encanto
Para todos alegrar...
Na minha estrela eu sou príncipe,
O que eu quero é só ordenar.
Se deu vontade de um beijo
É só imaginar...
Tenho direito a escolher ainda 
A pessoa e o lugar.
Nela sou admirado.
Todos querem me encontrar, 
Nem que seja só um sorriso,
Eles querem me dar...
Mas na minha estrela
Não é fácil de chegar. 
Só existe um caminho 
Se quiser entrar.
É um caminho muito árduo
Que tenho que enfrentar, 
Mas ele é inevitável 
E um dia vou caminhar.
Pra chegar na minha estrela, 
Morto tenho que estar,
Pois nela só entra a alma, 
O corpo não pode entrar...

Fausto Carlos Dorninger
© Todos os direitos reservados