CIMÉRIA NEGRIDÃO.


CIMÉRIA NEGRIDÃO


 


 


Projetei  em minh’Alma o sentimento que tanto desejava.


Ao firmamento supliquei para que me fosse ele outorgado.


Prazeres  momentâneos de emoção era o que encontrava,


Negridão ciméria, amiga inseparável  desse vil desgraçado.


 


Pelas avenidas do mundo,  minha estrela já estava traçada,


Caminhando a ermo em busca do supremo amor almejado;


Tudo foi um sonho! Perdido estava nessa perversa estrada,


Meu coração em dores carpia, no talante em ser consolado.


 


Ah, Senhor!  Como dói  a perfídia d’uma mulher desalmada!


Pago por este nefando tributo, sem nunca haver reclamado.


Odisseia desta minha vida afetiva, foi uma ledice enunciada;


Foi eu um pária de um romance mais fascinante e inusitado.      


 


Remetente de amarguras!  Infernal deusa que é idolatrada!


Pares seus de infortúnio aclamam-na por haver conquistado,


Vítimas ingênuas  com a sua artimanha de beleza falseada.


Mulher! Somente aos céus seu piáculo pode ser perdoado!


 


Rivadávia Leite

Rivadávia Leite
© Todos os direitos reservados