Site de Poesias

Menu

BANQUETE

Musgo nos pés,

sombras debaixo do braço;

acho que posso alcançar o céu,

basta que eu te dê um trato

com encanto e mel...

 

A música é da língua cheia de sal e pudores,

feita para que se sinta ardores,

ópera aberta para corações caçadores,

só os heróis morrem de amores,

caixão cheio de flores...

 

Frise bem: quero viver a instância máxima,

correr como caramujo sorridente e lento,

quero estar por fora em pura e ardorosa prática,

tudo que não sei cabe aqui dentro...

 

De que vale o sol fervendo se minh'alma é uma piscina,

de que vale nada ter sido criado depois de amanhã

se o que está sobre o pescoço busca a fina

película do irreal para comê-la como râ? 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar
Prieto Moreno
18/05/2015