NOITES DE LUAR



BUSCO ENCONTRAR NO HORIZONTE,
UM POUQUINHO DE VOCÊ.
A TARDE DESCAMBA LENTAMENTE.
ANOITEÇO,
SEM COR,
SEM DOR.
A ESPERANÇA AGONIZA.
IMPOSSÍVEL VOLTAR O TEMPO,
TRAZER OS MOMENTOS DE ALEGRIA,
QUE ME DELICIAVAM COM SUA CHEGADA.
MEU OLHAR O PROCURA
ATÉ QUE VÊ TÍMIDA ESTRELINHA
QUE PISCA LÁ DO CÉU SÓ PARA MIM.
UM BRILHO MAIS INTENSO
CLAREIA POUCO A POUCO
O VAZIO DE VOCÊ.
EM FORMA DE SAUDADE
O LUAR LANÇA SEUS RAIOS DE TERNURA
DISSIPANDO MINHA SOLIDÃO.
SEU CHEIRO CHEGA SORRATEIRAMENTE.
ME ABRAÇA,
ME ENLAÇA.
DESCUBRO SEM LAMENTOS
QUE VOCÊ NÃO VIRÁ.
NÃO HÁ REMORSO NEM ANGÚSTIAS
PELO QUE FOI VIVIDO.
A BRISA ROÇA MINHA PELE
E SOPRA PALAVRAS DE CONFORTO 
AO MEU OUVIDO.
A ÚNICA CERTEZA QUE FICA
É QUE UM AMOR COMO O NOSSO
JAMAIS SE APAGARÁ.
ESTÁ TATUADO
NO AR QUE RESPIRO.
PROVA DE QUE TUDO VALEU A PENA
E SUA LEMBRANÇA 
ESTÁ GRAVADA NO MEU PEITO.
E A PARTIR DE HOJE...
TODAS AS TARDES DE MINHA EXISTÊNCIA,
ME TRARÃO NOITES DE LUAR.

 

Maria Isabel Sartorio Santos
© Todos os direitos reservados