A Visitante...

Entrou assim de repente,
Como se fosse perfeitamente normal,
Usou a porta da frente,
Recolheu o jornal,
Destravou o cadeado, passou muito longe do que foi combinado!
Não é bem assim...
Não lhe cabe regar as flores do jardim,
Alimentar o pássaro, maltratar o cão,
Rondar a geladeira, escolher a refeição,
Cochilar na rede da varanda como se fosse sempre final de sexta - feira,
Abusar do meu frasco de lavanda.
Evite o telefone, não responda a campainha,
Deixe no lugar a escova que é só minha,
O roupão de banho, as meias de lã.
Ao se retirar, apague a luz do abajur cansado...
Mantenha o marcador no livro começando,
Esconda a chave da gaveta de segredos.
Mas ao voltar amanhã, por favor, chegue mais cedo! 

Mauricio Lomes
© Todos os direitos reservados