SOU A MESMA


Como posso acreditar que és a mesma


Foste tu que abandonasses o nosso ninho


Não foi por falta de carinho


Uma opção sua brincou com o amor


Quantas juras mentirosas, um pecado sem cor.


 


Como posso acreditar se foi você


Que disse “cada um segue seu caminho”


Palavras amargas que esvaziou nosso ninho


Sem motivos acaba o nosso relacionamento


Um amor de encantos em quanto durou.


 


Como posso acreditar ouvi pelo celular


Um adeus triste sem poder ler sua mente


A mentira mentalizada não foi suficiente


A menina flor que vi desabrochar


Perdeu-se e não soube como se encontrar.


 


Como posso acreditar na sua pureza


Tuas juras não passaram de mentiras


Rasgou meu coração deixou em tiras.


Onde guardou tanto amor que lhe dei?


A falsidade não faz parte do amor.


 


Como posso acreditar que agora mudou


“Volte ainda sou a mesma”


Para mim és a mesma pessoa, porém


Sem caráter, sem fidelidade simplesmente.


Não mas uma menina, uma mulher impura.


 


Gilvan Bulhões – Recife, 04/01/2015.

gilvan bulhoes
© Todos os direitos reservados