VERSOS GNÓSTICOS


VERSOS GNÓSTICOS


 


 


Textura somática que minh’alma é aprisionada,


À cata vivo da mais simples e única justificação,


Minhas arrepsias só enleiam minha caminhada,


Pervago por esta vida sem qualquer explicação.


 


Debalde sigo na caligem dessa moncosa estrada,


Inorando o que sou com minha dúbia destinação.


Diviso o manto estelar na busca de outra morada,


Sou mais um vulto que apensa o elenco da ilusão.


 


De onde vim? Inda não sei, gnosticamente, nada!


Para onde vou? Nem os anjos, com certeza, dirão!


Assertiva diversa que com frequência é prolatada ,


Que a palingenesia esclarece toda esta inquirição.


 


Adversante  sou desta mais mexinflória petalhada,


Somente a Deus cabe ao homem a sua destinação;


Ah, versos meus! É poesia que faço a uma amada!


Sentimento impossível, requintado em desilusão!


 


Rivadávia Leite

Rivadávia Leite
© Todos os direitos reservados