Site de Poesias

Menu

MALIGNO

 Muito a fazer,
Tanto a dizer...
Olho no olho,
Na cara de todos,
De ninguém...
Arrancar a verdade de quem
Se mostra todo inocente
E sacudi-la,
Lá de cima.
Chover a verdade que falta
Da nuvem mais alta,
Ensopando as máscaras,
Derretendo-as...
As máscaras, embora frágeis marzipãs,
São também quase eternas,
Rebeldes Titãs.
 
Haverá, então, gritos de horror
Nascidos nos céus, dos Deuses do Norte,
Dos Guardiões dos Portais,
Quando virem as válidas faces,
De feições reais
(Praticamente iguais)
De homens, mulheres, crianças até!
Criaturas sem piedade...
Mesmo os anjos perderão a fé
Na humanidade.
 
Os deuses queimarão seus livros,
Abrirão suas caixas, suas garras,
Soltarão seus bichos...
 

As faces! São grotescas demais!
Exalam, sepulcrais,
Cheiro de morte dentro da Morte.
 
E se alguém que me lê, um só que seja,
Conservar na alma alguma beleza,
Beleza que não se foi por um triz:
Forja uma máscara,
Atroz, feroz, horrenda
E a pregues na cara
(Criatura Infeliz!).
Mira-te na água,
Prepóstero Narciso,
Contempla tua feiura,
Transforma-te nessa figura
E sejas também maligno.
 
Assim, pelo menos,
Quando muitos dos outros,
De expressão oca e dura,
Roubarem teu riso,
Saberás o motivo.
 

Compartilhar

Perdoem-me a acidez, mas estou vivendo um momento de grande decepção com o ser humano. Pela milésima vez confiei, e pela milésima vez me decepcionei. Tenho medo de me perder, de perder a fé...

Lucilla Guedes
19/12/2014

  • 7 comentários
  • 184 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados