Site de Poesias

Menu

BOCA (2000)

 Boca que engarrafa o tempo
Quando nada diz,
Que eu tanto desejo,
E às vezes penso
Que se abrirá por um triz...
 
Boca que me acaricia
Somente com silêncios,
Cortantes, rijos, densos,
Que não reage à minha
Coleção de argumentos.
 
Sua apatia perfura o peito,
Sua rigidez tritura a alma,
Rasgando o espaço tenso,
Insuportavelmente imenso
Que nos separa...
 
Boca que ri dos meus espelhos,
Que vomitou sua neve branca
Em minha vida pouca,
E que agora deve estar preenchendo
A fome e a carência de outra boca.

Compartilhar
Lucilla Guedes
09/12/2014

  • 6 comentários
  • 217 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados