Ao Onipotente

Ao Onipotente


Senhor, a Tua dor doeu em mim
Os cravos que te infligiram eu senti
Não me deixes morrer assim
Perdoa-me se algum dia te menti

Até quando conciliar-me eu procuro
Na mansuetude de teus ensinamentos
Não consigo alcançar essa virtude
E só tropeço em vãos pensamentos

Algum dia vislumbrarei, certamente
O caminho correto da redenção
E só nele trilharei eternamente
Imbuído de Tua paz no coração !

São Paulo, 21/10/2014 (data da criação)
Armando A. C. Garcia –

Visite meu Blog:
brisadapoesia.blogspot.com

ARMANDO A. C. GARCIA
© Todos os direitos reservados