Site de Poesias

Menu

Terras secas


Terras secas
 


Terras secas mortas pela sede
Sem água, as plantas fenecem
Nem as ervas daninhas crescem.
Roguemos, que a seca arrede

Onde não chove, vem a miséria
Vem a fome, a calamidade,
O flagelo, adversidade
Proliferando a bactéria

Oh! Deus, compadece-te de nós
Manda São Pedro abrir torneiras
Pois a São Paulo está às beiras
De uma sequidão atroz.

São Paulo, 17/10/2014 (data da criação)
Armando A. C. Garcia –

Visite meu Blog:
brisadapoesia.blogspot.com

Compartilhar
ARMANDO A. C. GARCIA
17/10/2014

  • 0 comentários
  • 161 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados