Site de Poesias

Menu

Segundo Domingo de Maio

Me gerou
Me criou com tanto amor
Me ensinou a ser alguém melhor

Me deu as mãos
Me abraçou quando comecei a andar e a falar
Me olhava aprontado e fazendo bagunça

Me disse o que era certo e errado
Me mostrou como o mundo é realmente
Me falou a verdade, dos contos de fada

Estava lá me vendo, na minha primeira formatura do prezinho
Nos meus momentos de choro, sabia como me consolar
Nas minhas tristezas, sempre tinha uma palavra doce pra mim
Foi pra você que contei quando dei meu primeiro beijo

Me corrigia e me batia quando merecia
Jamais aceito os meus erros
Mais sempre me apoio, pra mim concertar todo o mal que fazia

Ó mãe o que seria de mim, sem os seus ensinamentos
Guerreira e batalhadora
Nunca me deixou, sem proteção

Sempre me defendia de todos
Parecendo uma leoa, um animal selvagem
Pra me defender fazia de tudo, só pra me ver bem

Não tenho como te agradecer
Por tudo que fez por mim
Só posso lembrar e tentar
Fazer pelo menos a metade
Do que a senhora ensinou pra mim

Compartilhar
Dennil Wolker
04/06/2014