Site de Poesias

Menu

Um amor na guerra

No sofrimento de um sentimento
No amor de uma paixão
No adeus, que deixou saudades
No coração da sua mulher

Pra guerra partiu
Sua casa deixou
A esperança de voltar vivo, foi o que o motivou

Nos campos de batalha, lutou, chorou e gritou
Passou fome, frio e muito medo
Via gente morta, pra onde olhava

A saudades do seu lar o castigava a toda hora
Lembrando dos momentos com sua esposa
Dos braços quentes de sua amada
Da alegria de estar com sua família
Coisas tão simples que não tinha mais

Já não sabia se ia morrer
Já não sabia quando ia embora

Os dias se passam e o sofrimento de sua mulher aumenta a toda hora
Ela não tem noticias
Não sabe se ele está bem
Não sabe se ela já é viúva ou apenas mais
Uma esposa de um soldado

O desespero daquele soldado é tanto que muitas vezes
Pensou em se matar
O que nunca deixou ele fazer isso era a vontade de voltar
Pro seu grande amor

Os meses se passaram com muitas feridas na alma e no corpo
Matar para sobreviver era uma obrigação
Mais com tantas mortes, Sua cabeça já não aguentava mais
Os pesadelos era constantes

Ele já não suportava mais tudo aquilo
E por ironia do destino a guerra acabou
Ele nem acreditou quando soube que eles tinham vencido a guerra

Ajuntou se com o resto da tropa e foram se arrumando pra voltar pra casa
E sua mulher em casa triste abatida, não sabia se seu amor estava vivo

Passando uns dias após a guerra
Ela já tinha até perdido as esperança de velo de novo

E numa bela tarde de domingo
Ele volta todo fardado com uma mochila enorme nas costas

Bateu na porta 1, 2, 3 vezes
E ninguém vinha atender

Sua esposa estava lá dentro, no seu quarto deitada chorando
Sentindo um vazio em seu ser
Não queria nem levantar da cama onde já estava deitada a dias
Sem forças pra viver

Ela desceu por causa da insistência
Falando: Já vai, já vai

Enxugou as lágrimas, arrumou o cabelo, amarrou o roupão
E bem devagar destrancou a porta

E para sua surpresa lá estava ele o causador de tanto sofrimento
Começou a gritar e pulou em seus braços
Abraçou e beijou sem parar
Falava: meu amor, meu amor

Nos seus braços ficou ali agarrada por um bom tempo
Sem acreditar que o amor de sua vida tinha voltado pra casa
Sem acreditar que o vazio da sua vida ia passar naquele momento
Sorriu e o beijou no desespero de seu coração

Compartilhar
Dennil Wolker
04/06/2014

  • 0 comentários
  • 15 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados