Site de Poesias

Menu

Confissão de Annacláudia II

P { margin-bottom: 0cm; direction: ltr; color: rgb(0, 0, 0); text-align: left; widows: 2; orphans: 2; text-decoration: underline; }P.western { font-family: "Arial Black",sans-serif; font-size: 10pt; }P.cjk { font-family: "Times New Roman",serif; font-size: 10pt; }P.ctl { font-family: "Arial Black",sans-serif; font-size: 10pt; }
CONFISSÃO DE ANNACLÁUDIA II
 
Ah Senhor meu Deus,
Quanto sofrimento me aflige,
Pois não me dei conta da felicidade
E por isso que me tornei triste.
 
Morava eu numa cidade tranqüila,
Mas a calma me incomodava,
Dava-me uma angústia na alma
Que me deixava irritada.
 
Como teimosa que sou
E muito impulsiva também,
Não ouvi conselho de ninguém,
Resolvi que deveria lutar.
 
Acreditei, eu realmente.
Que ao juntar meus pertences
Lançar-me num trem como pingente
Seria tratada como gente.
 
A meus pais deixei um bilhete
Dizendo que não voltava não,
Seguiria meus impulsos contentes
E o que me mandava o coração.
 
Ah que enganoso coração!
Que me tapou os olhos, maliciosamente,
Deixou-me como inconsciente
Retirou-se de mim toda a razão.
 
Procurei emprego como louca
Mas a minha simplicidade
Fez faltar comida à minha boca.
 
A necessidade achegou-se à minha porta
Pois todo o meu dinheiro acabou
E o orgulho me impediu de pensar na volta
Por isso, só o humilhar me restou.
 
Nada de especial eu sabia fazer
E muito era o que me pediam
Por isso, tive que me vender.
Desfazer dos sonhos que me traziam.
 
Ah Senhor, que vida desgraçada!
É a daquele que se deixa levar
Por um coração enganoso
E o orgulho que te faz humilhar.
 
Engano com cartas a minha família,
Dizendo-lhes que sou vitoriosa
Mas não digo o endereço, medrosa,
De um dia ver-lhes a decepção.
 
Aquela filha tão querida,
Única, criada com grande carinho.
Agora só anda por lugares sombrios,
Passeando com homens de qualquer tipo.
 
A vida me apertou e me vejo sozinha
Não posso reclamar nem fugir
Pois se tentar sair daqui
Talvez venha a deixar de existir.
 
Oh Senhor! O medo levou minha coragem
Minha energia agora é tristeza,
Vejo o futuro com incerteza
Sou uma passageira sem a passagem.
 
Quando pensei que tudo estava perdido,
Recebi um socorro do destino,
O Senhor atendeu meus pedidos
Enviou-me um anjo divino.
 
Quando nossos olhares se cruzaram
Senti uma pontada tão funda
Sabia que aquela vida imunda,
Não me seguiria mais não.
 
Fui tirada daquela vida,
O Senhor me enviou uma guarida
Pois Ele viu a minha simplicidade
Que eu julguei que estava perdida.
 
Hoje eu tenho um endereço
E alguém espera por mim,
Cheguei a pensar que era meu fim
Mas Deus me mostrou qu’ eu mereço.
 
Apesar de ter sido desonesta
E haver escondido a verdade,
Com Ele usei de simplicidade,
Chorei, tudo se transformou em festa.
 
Agora minha vida é completa,
E eu não o perco não,
Pois conquistou minha vida e meu coração,
E eu o amo com profunda emoção.

Compartilhar

26/04/2014

  • 0 comentários
  • 25 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados