Site de Poesias

Menu

À beira do mar

P { margin-bottom: 0cm; direction: ltr; color: rgb(0, 0, 0); widows: 2; orphans: 2; text-decoration: underline; }P.western { font-family: "Arial Black",sans-serif; font-size: 10pt; }P.cjk { font-family: "Times New Roman",serif; font-size: 10pt; }P.ctl { font-family: "Arial Black",sans-serif; font-size: 10pt; }
À BEIRA DO MAR
Sentado à beira da praia,
Vejo as ondas do mar,
Marulhando como a provocar
Em si, a minha entrada.
 
Sim, eu fico temeroso
Reconheço a imensidão do mar,
O seu azul sem-fim
E seu incansável sussurrar.
 
Vejo a imensa ousadia
De um gavião a planar,
Desafiando as águas profundas,
Num profundo mergulho no mar.
 
O peixe esperneando nas garras,
E o pássaro o vôo alçar
Rumando para o infinito
Até sua silhueta findar.
 
O Sol se pondo ao fundo,
Nuvens contrastando com o mar,
Este, perseguindo-me na praia.
E eu fugindo do mar.
 
Levanto e passeio pelas águas,
Cedendo à provocação do mar,
Sedento, joga-me por terra.
E eu jogo areia ao mar.

Compartilhar
C.Croséktos
18/04/2014

  • 0 comentários
  • 39 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados