Site de Poesias

Menu

Os trancos e barrancos da vida

Não sei se é a melhor maneira de explicar nosso viver
mas na vida a agitação sempre nos rouba o prazer
vivemos o cinza do mundo mas com tantas cores para se ver
embora eu saiba muita coisa ainda há muito para aprender
que até o voo de uma borboleta é algo para não se esquecer

não que seja algo pequeno é grandioso até demais
mas somos seres complexos que coisas simples não satisfaz
invertemos os valores da vida cuja poesia não vemos mais
na velocidade do tempo lembramos do tempo que ficou pra trás
onde a saudade invade a alma em um momento tão fugaz

pela correria da vida somos arrastados substituindo sorrisos por ais
mas nada parece engraçado pois levamos uma vida de tanto faz
onde a felicidade virou um sonho e como uma pérola ela nos atrai
acompanhamos a multidão apressada sem saber para onde vai
são tantos caminhos a seguir que se um tropeça o outro cai

no jogo da vida pela sobrevivência desfiro meus golpes certeiros
procuro ser forte sem necessariamente ser o primeiro
também a espera da sorte não fico para não ser o derradeiro
não desejo o fracasso dos outros mas luto como bravo guerreiro
se um dia alcançar a vitória dedico aos fiéis companheiros

pois de muita coragem me alimento mas é da simplicidade que me revisto
com a ousadia eu prossigo mas é na esperança que eu me firmo
embora dores me acompanhem da alegria nunca desisto
se a confiança as vezes falta, a certeza pela fé resolve os conflitos
mas a maior motivação que eu tenho é ver o brilho no olhar dos filhos

então luto nas trincheiras da vida como um valente soldado
já enfrentei um inimigo invisível e por ele quase fui derrotado
era o meu orgulho ferido o fruto do eu fracassado
mas na vida ser paciente é o que Deus me tem ensinado
pois quando estou fraco Ele sempre me tem amparado

volto à tranquilidade da vida embora n'um mundo tão agitado
ando na paz verdadeira como um pecador ao ser perdoado
desfruto da liberdade da vida como um prisioneiro após libertado
sinto novamente o gozo da vida como um pai após o filho ter voltado
cujas lágrimas irrigam a face que brotam de um coração quebrantado

levei a vida outrora como um cordeiro que do rebanho foi desgarrado
me alimentei das alfarrobas do mundo como um esfomeado
caminhei pelo deserto da alma sem nunca ter me encontrado
dei algumas voltas pelo mundo em pensamentos desorientados
encontrei meu porto seguro nos braços de quem comigo tem navegado

embora tudo permaneça igual eu encontrei o meu descanso
se outrora eu chorei sem ninguém a ouvir o meu pranto
hoje aprendi viver contente e a cantar o meu canto
o mundo e sua crueldade não me causam mais espanto
se eu cair nessa estrada com Deus logo me levanto

pois o mundo nunca desiste e com seu brilho encantador
nos atrai e nos fascina como um perfume sedutor
é preciso muita força para da vida ser um vencedor
ser bom, fiel e prudente para não rimar amor e dor
e das barreiras que aparecem possamos ser um saltador

Deus mostrou-me a realidade da liberdade em uma prece
deixei o mundo agitado lembrei de quem nunca me esquece
dei novo sentido pra vida, faço coisas que me enaltece
pois é na simplicidade da vida que o amor de Deus aparece
é uma nova realidade que ao mais pobre dos homens enobrece

por isso disse não ao mundo que me arrastou pelos quatro cantos
desisti do ego coloquei-o de lado pelo menos por enquanto
daquela vida agitada cheia de solavancos, de trancos e barrancos
sem saber discernir entre o certo e o errado, o santo do profano
foi quando toquei na vida divina que terminou o meu engano...

Compartilhar
Zeca Moreira
26/03/2014

  • 0 comentários
  • 365 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados