Destaques

Fevereiro de 2006

POESIA LIBERTÁRIA

O poeta é assim...
Em um dia angustiado...fala da dor do viver...
Em um dia encantado...fala do amor do prover...
Todo dia é poesia, todo dia é sentimento...
Nuanças de pura harmonia, viagem de pensamento...
E como é bom ser poeta...
Você ler e interpreta...
Aprendendo a não julgar...
Evoluindo o que é amar...

Assim se desenvolve a poesia libertária.
O singelo toque da caneta no papel,
Num gozo de idéias irrefreáveis
Despidas de qualquer pré-conceito,
Expondo o íntimo desguarnecido do poeta,

Alvenaria

Alvenaria...
É a alma falando da solidez, a matéria dando lugar ao sentimento...
Uma parede, um muro quantas vezes intransponível...
É a própria alvenaria do viver em solidão...
Casas frias, no movimento rotineiro...
Sem ação, sem Deus, sem razão...
Poucas linhas e variáveis sentimentos...

e nada tira do lugar -
sempre guardado
por paredes frias...