Site de Poesias

Menu

Faria de Cameria

Faria Domingos Cameria, Ginga Mutwê, Kiwaba Nzoji, Provincia de Malange, norte de Angola, aos 10 de Novembro de 1981. Filho de Domingos Cameria e Joana Teixeira N'gumba, ambos camponeses, embora seu pai tenha sido professor. No início da década de 80 por motivo de conflitos armados, sua familia assim como muitas outras foram obrigadas a fugir e procurar lugares mais seguros. Neto de homens que ainda trabalharam como escravos para colonia portuguesa. Muitas das vezes na procura de segurança, segundo os pais, Faria era levado nos ombros ou costas assim como outros irmão que na altura não conseguiam andar. Sua avô Marica Ngama, é uma das personagem que ele mais admira, tendo na sua vida um desempenlho que ele considera lendario. Faria nasceu numa família de 10 irmãos tendo sido o 7º filho. Desde cedo Faria demonstrou amor por artes e outros sectores científicos, por volta dos anos de 1990 a 92 ele já apoiava o primogênito da familia nos trabalhos escolares, rffazendo-lhe trabalhos de arte, como desenhos, que hoje ele considera as bases para aquilo que é hoje capaz de fazer com o lápis em mão. Em 1992 Angola passou por uma das suas maiores crises depois da independência, e a familia foi obrigada a deixar a provincia de Malange para ir abrigar-se em Luanda, devido os conflitos armados. Em 1996 voltaria a visitar a terra que ele tanto landariza em seus poemas, Malange. No início da década de 2000 sofreu de Tuberculose, 3 anos mais tarde sofreu um terrível acidente de viação de onde saiu vivo graças a Deus. No verão de 2004 voltaria a visitar a terra mãe, Malange, altura que escreveu um dos seus mais ilustres poemas.

Faria de Cameria, como é conhecido é também talentoso em artes, produz desde os anos 90 desenhos incríveis feitos simplesmente a lápis, embora as vezes faça pinturas. Suas representações mais sensacionais tem quase sempre relação como o corpo femenino. Tendo nas viagens uma das suas maiores paixões, Faria planeja actualmente dar a volta por Angola. Num futuro ainda distante deseja dar volta a África e quem sabe o ouviremos falar em dar a volta ao mundo.

  • "Há pessoas que não fazem nada para serem amadas, e como se não bastasse fazem muito para serem desprezadas"

Poesias de Faria de Cameria

Título Data Com. Vis.
Se a infância voltasse 07/02/2010 0 127
Angolanidades 26/01/2010 1 70
Minhas Glorias 26/01/2010 0 167
Se eu chorar 10/10/2009 0 126
Não vá embora 10/10/2009 0 130
Angola de sonho 16/03/2009 0 60
Lembranças heróicas 12/12/2008 0 254
Espalhando sorrisos 07/11/2008 0 487
Idoso glorioso 05/11/2008 2 437
Viva para mais alguém 04/11/2008 2 210