Site de Poesias

Menu

Antonio Montes

MÁGICO SOPRO

Aquele moço, moco...
Que já não era assim, tão moço
de pensamentos poucos...
Meio broco, quase loco!

Por muito pouco!
Não deu pipoco fosco,
mas, fez promessas de enrosco
e colocou a vontade sobre o toco.

Depois... Ficou esperando
que o vento te lembrasse
com seu mágico sopro.

Antonio montes FALAS DE FAIXAS

Essas faixas, contínuas
amarelas caladas, elas...
Falam, sem falar nada.

Falam e também guiam
pelos reles confins
dessas longas jornadas.

Essas faixas paralelas
desencontra sem afronta
e nuca mais se encontra.

Antonio Montes  PISA, PISA

Pisa menino, pisa...
Pisa porque se não, lhe dou uma pisa
para que possa voar nos passos
ir n\\\'um pé e voltar n\\\'outro
solto e leve como pássaro
rápido, como nave no espaço.

Pisa menino pisa...
E eu fico aqui com minha cisma
a muito, isso foi minha sina
voar como se tivesse asas...
Pisar como se pisasse em brasa.

Pisa menino pisa...
Não deixe o tempo lhe pisar
não se doe de bonzinho
nem ame, mais do que possa amar
porque se você não pisa
leva pisa pra respirar
e amando irão te esmagar.

Antonio Montes 

 

 

 

 

 

 

 

JOÃO DO MUNDO

O João do mundo
já faltando parafusos...
Pegou o mundo furado,
bateu o seu cadeado
e jogou a chave no lago
das esperanças e sonhos...
De um mundo cheio de marca
e de um povo demarcado.

Depois saiu a rodar
pelo mundo, já cansado
rodando em passos sem fundo
e por tudo que tem no mundo
girava atrás de um futuro
de um mundo sem escuro
e de passos todos seguros.

Antonio Montes 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MIL AMORES

Esse olhar que me zomba...
Terá ondas que me tromba
como bala atirada das sombras
em miragem de léguas, que me leva
como restos de dejetos, sobre a terra.

Esse olhar que me enterra...
Me colocando nas trevas, aterra-me.

... Já esse olhar... Ah esse olhar!
Esse olhar que me olha como se eu fosse
um horizonte florido...
Esse olhar me carrega sobre o céu,
me vê como diadema, e me enche de cores
Me olha cintilando como estrelas no ar
e me entorna em carinho de mil amores.

Esse olhar, levanta-me em alto estima
me destrincha em bela poesia
e me segue, dedilhando-me em rima.

Antonio Montes

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


BELA DOS SONHOS

A bela adormecida no meu jardim...
Um dia despertará do seu profundo
sono, sonhando...
Sonhando com suas reticências
seus adágios, substantivos, hiatos
e adjetivos.
Nesse dia a bela, se encherá de flor
e irá florir com seu encanto
irá cintilar em pétalas como estrelas
e colorir-se como cores do arco-íres.

A bela adormecida em meu jardim...
Terá a minha marca, será só minha,
e um dia se encherá, de notas, tremas,
frases, ditongos e fonemas,
Nesse dia... Navegará aos ouvidos dos
quatro cantos do mundo e transbordará
meu  nome sobre o céu.

A bela adormecida em meu jardim...
Eclodirá em seu parto com seu recital
provocará lágrimas de sensações
aguçará sentimentos e arrastará
almas através das imaginações.

Antonio Montes 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poesias de Antonio Montes

Título Data Com. Vis.
BÚSSOLA DO QUERER 19/07/2017 0 --
CASA NA RUA 18/07/2017 0 --
TATO DO SABER 17/07/2017 0 --
JOÃO-PINTO 17/07/2017 0 --
SINAIS GRÁFICOS 17/07/2017 0 --
PRESERVAR É PRECISO 17/07/2017 0 --
ASAS QUEBRADAS 15/07/2017 0 --
O ESCURO PASSA 15/07/2017 0 --
MENINO NOVO 15/07/2017 0 --
SONHOS ASCÉTICOS 14/07/2017 0 --
TRANÇAS DA SAUDADE 10/07/2017 0 --
SOB ASFALTO 10/07/2017 0 --
VAMOS P'RA ROÇA 06/07/2017 0 --
ULTIMO MOMENTO 04/07/2017 0 --
FULGOR DA VIDA 03/07/2017 0 --
TIC, TÁC, DO AMOR 03/07/2017 0 --
AFAGO COM VOCÊ 03/07/2017 0 --
AMAR ROBÔ 03/07/2017 0 --
CARREIRA E PONTO 27/06/2017 0 --
CAMINHO AO PASTO 27/06/2017 0 --