Site de Poesias

Menu

Pablo Danielli

 Reza a lenda que quando nasceu, nos pampas chovia muito e uma trovejada em forma de versos, assustou o tal de doutor e sem querer riscou de caneta o vivente. Foi onde tudo se deu forma, mal respirava e o primeiro aroma que sentiu foi o da tinta, usada para descrever maravilhas e sonhos.

Dai por diante, tudo foi natural e aquela tinta que ficou impregnada em seu sangue, encontrou a imaginação de um guri que sonhava acordado, não deu outra, versos e histórias surgiam sem parar.

Assim o minuano se encarregou de espalhar pelo descampado esse mundo imaginário, tomando forma ao encontrar ouvidos e olhos das mais diferentes pessoas.

Poesias de Pablo Danielli

Título Data Com. Vis.
Outonos e primaveras 05/11/2013 0 134
Em algum momento 30/07/2013 0 34
Caixa de sentimentos 29/07/2013 0 67
Criança da vida 26/07/2013 0 18
Memorias 26/07/2013 0 52
Mulher 26/07/2013 0 77
Passa 26/07/2013 0 38
Sensibilidade Bruta 08/07/2013 1 97
Vida 29/05/2013 1 29
Nem tudo 29/05/2013 0 20
Ame 29/05/2013 0 32
Luz e Sombra 01/09/2011 0 63
Visceral 31/08/2011 0 39
Além do tempo 31/08/2011 0 207
O que foi meu amor? 31/08/2011 0 38