Site de Poesias


MEIA NOITE

MEIA NOITE

 Tenho por você uma SEDE IMENSA,

Uma FEBRE de desejos que ninguém AFUGENTA,

Febre que se ESTENDE e me ALUCINA,

Fogo de ÉGUA DO MATO

Que se ESFREGA no seu MEDO de MACHO

Ah, eu até acho GRAÇA desse seu olhar de EMBARAÇO.

 

A minha FOME de você não há nada que DETENHA

Não existe SONO nem CANSAÇO

E nenhum MAL que nos venha

Temos a VALENTIA de um CANGACEIRO,

A força de uma ÉGUA PRENHA.

 

Esse seu corpo MELADO de SAL,

Esse seu cheiro doce de CANA que INCENDEIA

Temos o CALOR da MEIA NOITE

É uma coisa SACANA,terra que ARDE debaixo da GRAMA,

Vento que ESPALHA a POEIRA,

Fruta madura que LAMBUSA a boca,

Uma deliciosa BRINCADEIRA. 

 

Compartilhar
Tatiane Correia Silva (SALVADOR-BA)
21/06/2012

  • 2 comentários
  • 171 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados