Site de Poesias


O Vôo da Alma

Oh alma! Do meu corpo foste escrava
No fim dos teus pecados, desvelas a natureza
No respiro de suas dores, á vida que então sonhava
Surge no instante do romper dos laços, a certeza

Eterna do tempo, idéia que o teu pensar emanava
O realçar das cores belas, mundo fruto da beleza
Esboços imaginários, arte que o poeta imaginava
Entoa o teu canto, a tua sorte que não és mais presa.

A matéria cerne quando a mácula desvanecida
No violar das Fronteiras, pré-conceitos são vencidos
Pelas almas que se entrelaçam, sentimentos unificados

Contemplam o horizonte quando a porta de saída
É o desencarne da tua terra, de germens bandidos
Alimentam-se agora dos teus despojos esquecidos

 

Compartilhar
Murilo Celani Servo
02/03/2012