Site de Poesias


O CANTO DO GALO VIROU SAUDADE

Amanheceu e não escuto o galo cantar,
O canto do galo virou saudade,
E para quem vive na cidade acordar
Com o cocorico, só se estiver a sonhar!
 
A cidade é agitada, e indiferente!
Aqui cada um cuida da sua vida e mal,
Uma confusão de querer de muita gente,
E um viver frio, insensível, irreal.
 
Dificilmente se ouve um bom dia,
Aqui a gentileza não faz plantão,
A vida não tem graça, alegria,
Nem o prazer de pisar no chão.
 
A cidade é um rio que secou,
Uma floresta derrubada
Onde a brisa nunca mais soprou
E do paraíso não sobrou nada.
 
Que saudade do amanhecer,
De sentir no chão a relva molhada
Do ocaso do sol no entardecer
E do silêncio que acontece da passarada.
 
Pudesse eu fazer voltar o tempo,
Voltaria ao meu tempo de criança
E ter tudo que na saudade contemplo,
Inocência, alegria e esperança.

Compartilhar

A vida se transforma e junto os hábitos das pessoas, a cultura de um povo, a vida transforma o mundo. Eu já completei oito décadas e sou testemunha viva das transformações na sociedade humana. A ciência e a tecnologia trouxe-nos benefícios e malefícios, mas será que junto veio felicidade?
Para os mais antigos adaptar-se à modernidade é um esforço muito grande, que nem sempre da resultado em virtude da velocidade das mudanças. Analisando a modernidade que em assusta.

ubirajara
27/04/2011