Site de Poesias

Menu

NÃO ESQUEÇAM DE TIRAR A MÁSCARA DEPOIS DO CARNAVAL (CRÔNICA).

[Ilustração não carregada]

 
 
As máscaras são utilizadas para fins diversos. Esse hábito já vem de muitos anos e varia de acordo com a cultura e a religiosidade de um povo. Os contadores de histórias usavam as máscaras para dar mais vida às suas narrativas. Em muitas civilizações, as máscaras desempenham um papel espiritual em rituais sagrados, como na África. No Egito Antigo, eram colocadas máscaras enfeitadas com pedras preciosas nas múmias prestes a serem enterradas.

As máscaras também têm características simbólicas. Os esquimós que residem no Alaska acreditavam na dupla vida de cada ser, de um lado humano, de outro animal. E é nessa história que eu pego carona para falar sobre a falsidade do ser humano.
Até que ponto as dissimulações humanas são suportadas por uma máscara. Não adianta usar uma máscara se não for um bom folião ou um bom ator. Pois a máscara em pouco tempo se desprende e revela a verdadeira identidade do manipulador. Mas a máscara não atua sozinha. A alma que tenta dominá-la traz consigo o cheiro revelador da verdadeira intenção do manipulador. Pode ser um cheiro adocicado e suave, que nos transporta além das fronteiras da nossa realidade. Pode ser o mais acre, impregnando as nossas narinas e nos conduzindo a uma repulsa sobrecomum. Este é inconfundível.

Não estou pregando o puritanismo. Sei que tal qualidade é surreal. Pois todos nós, por necessidade à sobrevivência, temos a nossa máscara escondida nas mangas. Mas há pessoas que se esquecem de tirá-las. Acabam se escondendo atrás delas e fazendo-se de bom samaritano em prol dos seus interesses egoístas e mesquinhos.
O Brasil que é um país onde se tem carnaval quase o ano inteiro, há de se formular um pequeno lembrete: após a folia, minha gente, não se esqueçam de tirar a máscara.

Compartilhar

Obra registrada. Protegida pela Lei de Direitos Autorais 9610.
Imagem extraída da Internet. Autoria desconhecida. São Gonaçalo - RJ

RICARDO OHARA
10/02/2010